Catherine – Review

Atenção: este artigo contém imagens e conteúdo relativo a um jogo inapropriado para menores de 18 anos. Se você não completou 18, ou se você mente ter 18 anos, ou se finge ser maior, ou qualquer coisa parecida, você não deve ler o que procede a seguir. Respeitem a faixa indicativa dos jogos e tornem o Brasil um país melhor com relação a isso.
Ah sim, essa review também contém spoilers.

Eu? Eu tenho 22. Difícil alguém estar no primeiro ano de mestrado com menos de 18 anos, ainda mais no BR.

Enfim, eu e o Fausto completamos Catherine. Não digo completar no sentido de acabar tudo o que tinha para fazer no jogo, mas posso dizer que fizemos o principal: os dos finais opostos.
Catherine é um jogo sério, não é brincadeira. Ele trabalha com temáticas do horror, do erótico, do sexual e do doentio. Apesar de ter uma certa aura cômica por trás do protagonista, Vincent, pelo que acontece é bem sério e caótico. O que, se você for levar para a realidade, é uma situação ordinariamente comum.

Ou seja: um rapaz, na faixa dos 30, ainda não resolveu o que quer da vida, namora há 5 anos com a mesma moça, que também tem mais ou menos 30. Sem se decidir, o rapaz se arrasta pelo relacionamento. Até que ela se cansa e resolve dar o bote, dizendo que está grávida. Pior, o rapaz fica tão perturbado que, do nada, resolve trair essa namorada com uma outra garota extremamente linda, anos mais nova do que a primeira. Enquanto isso acontece, ele enche a cara no bar todo dia, contando para os amigos os problemas.

No mundo real é bem simples, factual e ordinário. O cara é um otário, a mulher que está com ele merece coisa melhor, e nem a amante tem culpa. No mundo real as coisas se resolvem bem rapidamente: eles terminam, ele se acaba, ela se acaba, ela descobre, todo mundo entra em crise, mas eventualmente tudo falls into place e a vida continua. Quantos casais por aí não estão exatamente nessa mesma situação?
Por que então eu quereria jogar um jogo que trata de uma situação tão comum? Bom, simplesmente porque a maneira como isso é tratado é única. O que é mostrado no jogo é o abismo psicológico de Vincent, sendo atormentado por pesadelos todos os dias, cada vez mais afundando nas suas próprias irresoluções, participando da escuridão emocional de outros personagens. É um jogo que explora, mais do que tudo, a própria reflexão do personagem em relação ao que acontece. Ele é um otário, continua sendo um otário, mas o pensamento dele é exposto e junto com esse pensamento a tortura mental pela qual ele está passando.


A história do jogo acontece em 8 dias. Nesses oito dias é possível perceber uma ascenção e decadência dos dois lados do protagonista. Ascenção porque no jogo é possível ajudar outros personagens masculinos que perambulam pelo bar que Vicent frequenta. Essa ajuda é crucial para os eventos internos do jogo, e culminam no caráter de Vicent. decadência porque ao mesmo tempo em que ele ascende por falar e resolver problemas dos outros, ele afunda nos seus próprios problemas. O tanto que ele afunda é determinado pelas escolhas que o jogador faz. Se ele decide que Vincent tem que responder bem para a amante e mal para a namorada, ele fica cada vez mais safado. Se o jogador faz com que Vincent responda muito bem para a namorada, e mal para a amante, Vincent fica mais confuso ainda porque ele continua traindo.

E em meio a todo esse jogo de respostas é que o jogador vai determinando que final terá a história. Ao todo, existem 9 finais. Três deles são bons: O Law Ending, o Chaos Ending, e o Freedom Ending. Estes são os finais em que o jogador conseguiu terminar o jogo com o karma meter em uma posição exata, sem meios termos. Ou ele fica com a namorada, ou com a amante, ou sozinho. Caso as respostas que o jogador dê não sejam satisfatórias para colocar o karma meter em um lugar exato, ele pode fazer um desses finais só que será ruim. Para mais informações, visite: http://catherinethegame.wikia.com/wiki/Endings

Parece sim um dating SIM game, mas não chega a isso. O jogador deve escolher entre Katherine – a namorada de Vincent, uma mulher madura de 32 anos – ou Catherine – uma jovem de 22 que simplesmente ataca Vincent no bar. Ou o jogador pode simplesmente escolher nenhuma delas.
Existem routes a serem tomadas, mas nenhuma delas impede que a reflexão e tortura mental de Vicent saiam do centro de destaque no jogo. O processo doloroso de tudo isso que ele está passando é o foco. Ele precisa tomar uma decisão na vida: qual será?

Em relação à jogabilidade, o jogo permite que você ande e fale com personagens independentemente enquanto está no bar. Também é possível trocar mensagens pelo celular, receber fotos e ligações, salvar e jogar um minigame da Rapunzel que tem no fliperama desse bar. Esse jogo apresenta a mesma jogabilidade dos puzzles do jogo, a diferença é que os movimentos são limitados, sendo, consequentemente, mais difícil.

O jogo não era um dating sim? Na verdade, Catherine é um puzzle. A parte de escolher caminhos parece um outro tipo de jogo dentro da história de perturbação mental de Vicent. Na verdade, o dever mais real do jogador é passar pelos puzzles do jogo. O tipo de puzzle é action, o que significa que você não vai ficar pensando em número e peças de quebra cabeça, você vai ter que se mexer para resolver; no caso, sobreviver.
A intenção é escalar blocos e mais blocos até chegar no topo sem cair, sem ser derrubado, sem ser morto pelo chefão ocasional (sim, um puzzle com chefão), enfim: você tem que chegar no topo.
Cada puzzle é tematizado com um estágio de julgamento pelo qual Vicent passará os 9 dias, com a dificuldade aumentando a cada dia.

O gráfico também é um eye-candy. Até agora foi o gráfico inspirado em estética de anime com a movimentação mais bela e natural que já vi. Com exceção de algumas bocas que o Vicent faz, os movimentos de todos os outros personagens, homens e mulheres, é muito bom, muito certo, natural. Sem contar que a imagem é linda: o gráfico é muito mais bonito que as cut-scenes, que foram feitas em uma animação 2D comum. Visualmente, o jogo vale muito a pena.

Conclusão: Catherine é, portanto, um jogo que mistura duas coisas de uma maneira bem harmônica. Tem muitas cut-scenes, diálogos, e muito puzzle, então se você não está interessado em ver personagens se desenvolvendo psicologicamente por meio de longas conversas e texto, este não é o seu jogo. E a questão de confusão, ansiedade e medo em virtude da maturidade e dos relacionamentos da vida é muito bem explorada em Catherine, não só pelo lado de Vincent, mas também pelo lado dos outros personagens masculinos que têm problemas, que expõem estes problemas no bar e que, caso o jogador escolha, eventualmente têm esses problemas resolvidos. É um jogo que mostra a complexidade da natureza humana em face da luta de sexos por meio de vários pontos de vista.

Defeitos:

Apesar de o jogo ser único e de oferecer uma experiência magnífica para jogar, tenho algumas ressalvas, sérias ressalvas, que vão desde defeitos na jogabilidade até falhas na história.

1. A câmera.
Ouvi dizer que o puzzle de Catherine era extremamente difícil, quase impossível. Felizmente (ou infelizmente) não o é, mas o jogo peca em algo que faz com que os puzzle sejam irritantes: a câmera. Ela não é controlável – pelo menos não satisfatóriamente – e quando age por conta própria faz com que o jogador não veja Vincent, que o perca de vista por segundos valiosos, principalmente quando o chefão ataca. A câmera prefere focar no golpe do chefão, fazendo com que você não veja para onde está indo. Você é obrigado a ficar parado e esperar a câmera ficar quieta, o que acabou com a nossa paciência por mais da metade do jogo.

2. A câmera.

3. A câmera.

4. A Chaos Route, que é a que ele fica com a Catherine (a mais novinha). A explicação só pode ser feita por meio de… [spoiler title=”*Spoilers*”] Simplesmente não fez sentido, apesar de esse final ter sido hilário. Quando o jogador escolhe um resposta para o Vincent, a única coisa que muda no jogo é o protagonista falando aquilo que o jogador escolheu, mas nada. O script inteiro do jogo continua congelado. Ok, até chegar no último capítulo, as falas do Vincent combinam praticamente com qualquer resposta que o jogador dê. O problema começa quando Vincent decide pôr um fim em tudo. Então mesmo que o jogador escolha as respostas que vão fazer com que ele fique com a Catherine, ele continua pensando na outra Katherine, falando que vai arrumar as coisas para ela. Pior, quando ela temrina com ele, Vincent fica louco do mesmo jeito. O QUE NÃO FAZ SENTIDO, porque nesse jogo inteiro nós só escolhemos as respostas boas para a amante, não para a namorada dele. E as respostas que se escolhe para agradar Catherine são muito fortes, do tipo que pede foto dela nua e etc. E mais: para fazer com que o karma meter fique todo do lado da Catherine, é necessário responder muito mal para a Katherine, o que mais uma vez entra em conflito com ele ter ficado triste por ele ter terminado com ela.
E apesar de todas as boas respostas que o jogador escolhe para Catherine, Vincent ainda termina com ela do mesmo jeito, não importa.
Então o jogo foi feito de uma maneira que até dá para encaixar esse final, mas as coisas não fazem mais sentido.
E, apesar de ele ter ficado extremamente arrasado porque a Katherine terminou com ele, ele ainda vai e pede a mão da outra em casamento 7 dias depois de a ter conhecido. Eu não engoli isso muito bem.[/spoiler]

Conclusão: de qualquer maneira, apesar dos defeitos, creio que Catherine seja um bom jogo para ser jogado. Vale a pena o tempo gasto nele, porque ele é, acima de tudo, divertido e as personagens são, no mínimo, interessantes. Tem até um trap.
Mas enfim, se você não gosta de jogos que deve se envolver, Catherine não é para você.
Segue a seguir a galeria:

0e9c91a2eced8199c7d3f1fb05b9bb0d 1cd4647e44429b81d679e30baf0915c7 1f140da586268d88179cf47336ef13b1 2af22da1fe846e07ec642a9bea63ae7d 3c5753cbbf15a96eaa5cee870ac4ad87 5dd98d84cfbdb4eec5c5f1ba3937732f 5f3c000660d4c8f1661bc96d8ada6c41 6ee7836558e531232d8ac3ae51e122da 64d0c69fe226a5aea6a96f47af162cd5 76d7b968e917a05493df43d3028f64d3 84f59df6878bec5a19b74c6d26250b9b 87ede258aec184e72ed76cf056c4b672 87fd06a22cce3c32a5c33180d21af80c 127a4e6395c234953c3d0d6f5a11858d 837bcec3d3afc7f67cb27fec1892e639 45691f2e00643ae7dbe70cfa1b7d7316 56050a29f286940e83c6df6de5bf1924 6170388c9695e22992fcb34c299cb89b 84928412595e0c0c4fefecd92160d954 500070476429a706b84550392283a917 758104317665c5b1f0646f6ce6ef7202 a2a16f183deef64f73c5228ac2ab8149 acbaf3bd915af81f555077b715ce1438 b6d353bbc98525e106cbd9d6c08676ea b6ef6ff64e273a7aef540f15ce06f136 bc2eacec77e7fd14687c8c83ff2b5f1a c93db8dc97c0f520f2a8b629bb9bd2d1 ce8330029324e92c21b0857a4a60bc8c d0da1e30c2ea28f4d72786cee3e55846 d6ff5ed3a38abd665ac4d2f84e129969 d7ef76be0b3be42372a655c1a4c3b55a d52da1ada7b299d62db3629e624cb125 dca564acf7ff8774e7739690727dfe3d e2b5486497e455b9dc37a38e1df0a6e4 ea7795e05e01657cc9d25f0d594a8cec ebfcb83702b7e2e3b6aaba252d76ab23 f23abdefd7fe16645429f1e702555f82

 

Para quem quer se aprofundar na questão de gênero e estereótipo, leia este artigo no Gamasutra (em inglês): Catherine and Gender Stereotypes

Para quem quiser ler uma review que detalhe melhor a jogabilidade, acesse este link da revista Arkade: “CATHERINE (PS3, X360) REVIEW: EROTISMO, OVELHAS E BIZARRICE” .

  • Julia Roberta

    Como eu queria um PS3 ou Xbox 360 ç.ç

  • Rubens de Araujo Julio

    Bom, eu li o seu review e gostei, só tenho uma ressalva… qual nivel de dificuldade vc finalizou o jogo?? No normal, conforme vc aprende as tecnicas vai ficando facil, agora no level hard, os puzzles sao nervosos… acredito que vc tenha terminado o jogo no normal… parabens pelo review…